Make your own free website on Tripod.com
 

Placas de vídeo 3D


Abaixo vemos o esquema de duas das mais modernas e poderosas placas de vídeo AGP atuais: a ASUS GeForce V6600, que possui um chipset nVidia GeForce 256 (o sucessor da TNT2) com 32MB de memória SGRAM DDR, e a ATI Rage Fury MAXX, que possui dois chipsets gráficos ATI Rage 128 PRO, cada um com 32MB de memória totalizando exagerados 64MB de memória de vídeo. Utilizando-se da tecnologia AFR, essa placa renderiza cada quadro em um chipset. Ou seja: em uma animação com 60 quadros por segundo, 30 foram renderizados por um chipset e os outros 30 no outro, trabalhando alternadamente à cada quadro - uma tecnologia impressionante.

Assim que os dados deixam a CPU, eles passam de forma simplificada por 3 estágios até chegar ao monitor. Cada passo depende muito da qualidade do hardware usado, afetando a performance geral do sistema de formas diferentes:

1°: Da CPU os dados (digitais) vão ao BUS usado pela placa (que pode ser ISA, VESA, PCI ou AGP) chegando ao chipset da placa de vídeo, onde os dados são processados.

     A velocidade do BUS influi em muito essa etapa e todas as outras, atuando como um funil para a performance. O BUS PCI funciona à 33,3MHz aproximadamente, enquanto que o AGP funciona à 66,6MHz, o que confere ao bus AGP uma grande vantagem. Ao chegar ao chipset da placa de vídeo, os dados são processados e efeitos 3D diversos aplicados (consulte a próxima página para saber mais sobre efeitos 3D). Nessa etapa a qualidade do chipset de vídeo é crucial para a performance e qualidade do vídeo, e é isso que mais diferencia uma placa GeForce ou Voodoo3 de uma placa onboard ou Trident barata.

2°: Do chipset da placa de vídeo à memória da placa de vídeo, para armazenar um espelho da imagem que será mostrada na tela do monitor (ainda de forma digital).

     É óbvio que aqui o que mais influi é o tipo de memória de vídeo e a quantidade. Existem muitos tipos de memória RAM para vídeo (VRAM, WRAM, SGRAM, EDO, DRAM, SDRAM, etc), cada uma com vantagens e desvantagens (preço vs performance). Não se engane: quanto mais memória tiver uma placa de vídeo, principalmente as 3D, melhor. A quantidade de memória RAM da placa de vídeo é o principal fator limitante de n° de cores e resolução máximas, e afeta muito a performance e qualidade de vídeo. Não aconselho comprar placas de vídeo com menos de 8MB de memória se você pretende usar resoluções altas ou monitores de 17" ou mais. Atualmente, os melhores tipos de memória para 3D são SDRAM e SGRAM.

3°: Da memória da placa de vídeo ao conversor digital/analógico (Digital Analog Converter, o famoso RAMDAC) e dele ao monitor.

     Até aqui os dados foram processados de forma digital. Mas o seu monitor é um periférico analógico (com exceção aos Flat-panel digitais), então os dados devem ser convertidos para que possam chegar a você. Aqui, a qualidade do RAMDAC e sua freqüência em MHz são essenciais. É o RAMDAC que lê o espelho digital da imagem armazenado na memória de vídeo e o converte de digital para analógico para  mandar a imagem ao monitor. Então, quanto mais rápido ele é, mais vezes ele vai varrer a tela com imagens, e é essa rapidez de leitura que influi diretamente no Refresh Rate. Um bom RAMDAC atualmente deve operar a uma freqüência de pelo menos 250MHz, apesar de que atualmente boas placas de vídeo apresentam RAMDACs de 300MHz ou mais.

O processo é bem mais complexo do que esse explicado acima, mas já dá para se ter uma visão da importância dos principais componentes de uma placa de vídeo e sua relação com o sistema.


Próxima página:

Fique por dentro da terminologia usada na placas das vídeo 3D atuais
(OpenGL, Direct3D, T&L, Alpha Blending, Bilinear filtering, Anti-Aliasing, 16 e 32-bit rendering, AGP, Dithering, Double buffering, Fogging, Triangle setup engine, Triple buffering e mais)